Search
quarta , 20 de setembro de 2017
  • :
  • :
   
  Apoio

Motoristas do transporte coletivo rejeitam reajuste salarial em Goiânia

Motoristas que atuam no transporte coletivo na Grande Goiânia rejeitaram o acordo firmado entre o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários do Estado de Goiás (Sindittransporte) e o Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de Goiânia (Setransp), que acertava um reajuste salarial de 7%. A categoria, que defende um aumento de 15%, aguarda uma nova reunião com as empresas para definir sobre a possibilidade de greve.

A assembleia foi realizada no domingo (1º), na sede do Sindittransporte e também contou com a presença de representantes do Sindicato Intermunicipal dos Trabalhadores no Transporte Coletivo Urbano de Goiânia e Região Metropolitana (Sindicoletivo), outra entidade que representa a categoria extraoficialmente, e do Ministério Público do Trabalho.

O termo aditivo que havia sido acordado pelo Sindittransporte e as empresas, no último dia 15, previa também reajuste de 16% no vale-alimentação. Mas a medida foi questionada pelo Sindicoletivo, que afirma não ter sido consultado sobre a proposta. Com a negativa dos motoristas, as negociações sobre reajuste salarial voltaram a ser reabertas.

Uma audiência no Tribunal Regional do Trabalho está agendada para a próxima quarta-feira (4), quando os motoristas pretendem pedir o aumento de 15%, além de reajuste do vale-alimentação e a volta do serviço de manobra, que é o transporte ao final do expediente. Depois, no próximo dia 15, a categoria vai discutir os rumos do movimento. Caso não haja acordo com o Setransp, os motoristas poderão decretar greve.

Procurada pelo G1, a assessoria de imprensa do Setransp informou que o órgão ainda vai se reunir com as empresas e consórcios de transporte para uma definição sobre o caso.

Motoristas lotaram sede de sindicato durante assembleia, em Goiânia (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

Motoristas lotaram sede de sindicato durante assembleia, em Goiânia (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

Fonte: G1




Comentários